logo-mundo-de-parentalidade

parentalidade / 17 POSTS ENCONTRADOS

Desabafo e crescimento em tempo da pandemia COVID-19

por Márcia Carneiro
Hoje, pela primeira vez na vida, desejei nunca ter nascido. Pela primeira vez na vida, desejei não ser mãe, não ser esposa, simplesmente nunca ter existido. E celebrei. Celebrei sentir tanta vida. No meio do meu choro compulsivo, agachada (escondida) aos pés do banco do passageiro num carro estacionado na garagem de casa (único sítio para onde fugir em tempo de COVID-19) celebrei o que antes nunca fora capaz de sentir.

Como acontece o desenvolvimento humano? É instintivo ou ensinado?

por Márcia Carneiro
Os seres humanos são seres naturais, com uma origem que não foi obra sua e um desenvolvimento humano que não obedece à sua vontade. Neste contexto parece-me bastante pretensioso acreditar que se queremos que os nossos filhos sejam felizes, capazes de funcionar na cultura e sociedade contemporânea, resilientes, independentes, bem-sucedidos em termos pessoais e profissionais, tenhamos que o ensinar, que o originar, que o implementar nas suas mentes.

Tem medo dos terríveis 2 anos?

por Leslie Potter
Na América do Norte, a maioria dos progenitores teme os terríveis 2 anos. Muitos deles mesmo antes de se estrearem na parentalidade. E vocês? Também o receiam? No seu primeiro texto como colaboradora do Blog Mundo de Parentalidade, Leslie Potter aborda este medo comum.

Porque é que o meu filho faz birra? Entenda agora!

por Márcia Carneiro
As birras dos filhos são geralmente uma fonte de grande incómodo e dor de cabeça para os pais. Como tal, constituem um dos aspetos da parentalidade que mais leva um progenitor a pedir ajuda. Por isso, se se debate com birras por parte dos seus filhos e não sabe o que fazer para lidar com elas, comece por aqui, por perceber quais os alicerces de tal comportamento. Porque é que o seu filho fez birra?

Parentalidade: do Paradigma Dominante até ao Paradigma Consciente

Um pouco por todo o mundo, estamos a assistir a uma mudança de paradigma na forma como criamos os nossos filhos: estamos, finalmente, a libertarmo-nos do Paradigma Dominante e a embarcar no Paradigma da Parentalidade Consciente ou Pacífica. Mas o que implica esta mudança na Parentalidade? Descubra neste post.

Parentalidade consciente, disparos inconscientes e um momento de clarividência

por Márcia Carneiro
Um dia dei por mim a gritar com a minha princesa e a descarregar nela toda a minha fúria. Já nem me lembro qual o gatilho, que comportamento dela me havia irritado tanto. Só sei que tive consciência que precisava de parar. Dei um passo atrás, ainda a gritar, e sentei-me no meu Colo Seguro.

Descubra porque A Vida é Bela é o filme que todos os pais deviam ver

por Márcia Carneiro
A Vida é Bela de Roberto Benigni é um filme de referência no mundo da parentalidade. Porquê? Porque constitui uma ode à vida e ao amor incondicional. E apresenta Guido (Roberto Benigni) como um pai que nos ensina o que realmente é estar à altura do que um filho precisa, sejam quais forem as circunstâncias ou contexto.

Venha conhecer a verdadeira Parentalidade Consciente

por Márcia Carneiro
É fácil perceber o conceito da Parentalidade Consciente. E é fácil enganarmo-nos em pensar que a estamos a seguir. Quando realmente mergulhamos no desconforto do trabalho e aceitamos questionar tudo o que antes aceitávamos como verdades absolutas, então percebemos que a verdadeira Parentalidade Consciente significa entranhar fundo em nós próprios e criarmos uma relação consciente com a nossa imaturidade.

A importância de pedir ajuda e apoio: Lean On Me

Estávamos nos primeiros dias de 2013. No rádio escutava-se uma versão atualizada de “Lean On Me”. A minha prima debatia-se com a vida… e com a sua capacidade de pedir ajuda. Enviei-lhe um link desta música. Enquanto tivermos pessoas em quem nos apoiar nada é verdadeiramente invencível.

Quem sou eu para o meu filho?

por Márcia Carneiro
Muito se fala e escreve sobre como ser pai. Mas o que raramente se diz é que o verdadeiro segredo está no contexto. E o contexto é a relação que estabelecemos com os nossos filhos. “Quem sou eu para o meu filho?” Esta é a pergunta que devemos colocar a nós próprios. “Eu sou a resposta, mesmo quando não tenho respostas.” Esta é a solução.