logo-mundo-de-parentalidade

medo / 7 POSTS ENCONTRADOS

Que Medo! de Barbara Frandino: Um livro incómodo e apaixonante

por Márcia Carneiro
Não é com facilidade que escolho um livro infantil para comprar. Compreendendo a importância de ler histórias para crianças, gosto de analisar os contos infantis que estão a ser vendidos antes de os levar para casa. “Que Medo!” constituiu, no entanto, uma exceção. Assinado por Barbara Frandino este livro superou todas as minhas expetativas.

Como posso ajudar o meu filho com trauma?

por Márcia Carneiro
A maioria das crianças, para não dizer mesmo todas, experimentam situações traumáticas na sua existência, por muito amorosos, atenciosos e cuidadores que sejam os pais. E embora existam inúmeros profissionais capazes de ajudar os nossos filhos a lidar com o trauma, ninguém substitui os pais ou principais cuidadores como terapeutas principais.

Parentalidade: do Paradigma Dominante até ao Paradigma Consciente

Um pouco por todo o mundo, estamos a assistir a uma mudança de paradigma na forma como criamos os nossos filhos: estamos, finalmente, a libertarmo-nos do Paradigma Dominante e a embarcar no Paradigma da Parentalidade Consciente ou Pacífica. Mas o que implica esta mudança na Parentalidade? Descubra neste post.

Já sabes o que significa ter coragem? Descobre agora!

por Márcia Carneiro
A maior parte de nós já assistiu a alguém mudar completamente a sua existência, tomando decisões ousadas e arriscadas, e desejou ser capaz de sentir a mesma coragem. Mas como é sentir coragem? Coragem? O que é realmente a coragem? Como é que é sentir-se corajoso?

Gostava que alguém me tivesse visto

por Márcia Carneiro
Não sei muito bem como começar este texto. Não tem início nem tem fim o que quero partilhar. É pessoal e ao mesmo tempo profissional. É uma dança, uma verdadeira dança, pelo que simplesmente me vou permitir bailar. Gostava que alguém me tivesse visto quando estava grávida. Verdadeiramente visto, perscrutado para além da armadura que usava como defesa e que recentemente aprendi a amar.

Atirada ao chão

por Márcia Carneiro
Já houve momentos na vida em que me senti atirada ao chão, verdadeiramente arremessada, sem dó nem piedade, sem rede de segurança ou ponta onde me agarrar. Já existiram situações na minha história em que mergulhei no oceano profundo e convenci-me que me ia afogar. E foi nesses momentos que conheci a essência da vida.

Desafios da Maternidade, Tempos de Dificuldade: Então e eu?

A parentalidade é um processo de transformação, tanto mais profundo e radical quanto mais intensa é a nossa imaturidade e mais reprimidas estão as nossas sombras. Felizmente, mais por sorte do destino do que propriamente por escolha própria, eu decidi quebrar a continuidade da herança e enfrentar os demónios, viver a transformação. Saiba como neste post.