logo-mundo-de-parentalidade

a minha filha / 16 POSTS ENCONTRADOS

Que Medo! de Barbara Frandino: Um livro incómodo e apaixonante

por Márcia Carneiro
Não é com facilidade que escolho um livro infantil para comprar. Compreendendo a importância de ler histórias para crianças, gosto de analisar os contos infantis que estão a ser vendidos antes de os levar para casa. “Que Medo!” constituiu, no entanto, uma exceção. Assinado por Barbara Frandino este livro superou todas as minhas expetativas.

A Viagem de Arlo: A essência do Desenvolvimento Humano em imagens

por Márcia Carneiro
“A Viagem de Arlo” foi um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Uma verdadeira lição sobre o que é o alarme, a coragem, o vínculo e a alta sensibilidade, entre outros conceitos. É uma obra que retrata muito do que a Psicologia do Desenvolvimento Humano tem ensinado ao longo de mais de um século e confirmado agora pelas mais recentes descobertas da Neurociência.

Conheça aqui o que ninguém lhe diz sobre a autossuperação

por Márcia Carneiro
Quase todas as pessoas que enveredam por um caminho de autossuperação, seja ele espiritual, terapêutico ou tendo por base uma parentalidade consciente, possuem um ideal a alcançar, uma meta final que acreditam que fará toda a diferença na vida, sua e daqueles a quem mais amam. O derradeiro poder da autossuperação não está no resultado final, mas na escolha que fazemos quando encontramos a encruzilhada.

A culpa é da escola! Será esta uma verdade? Leia a minha reflexão!

por Márcia Carneiro
Como Pais todos queremos o melhor para os nossos filhos. Com esse desejo em mente é fácil culpar os outros quando sentimos que algo falha. Culpar a escola, os professores, as auxiliares são um exemplo típico. Porque acreditamos nisso? Porque é esse o nosso primeiro pensamento, o nosso ponto de partida?

Já pensou em que resultado espera obter ao criar o seu filho?

por Márcia Carneiro
O que o move ao criar o seu filho? Que objetivos de curto e longo prazo comandam as suas ações? Qual o resultado que quer alcançar? Talvez nunca tenha colocado a si própria estas questões de forma consciente, ou talvez sim, já o haja feito. Independentemente de ser consciente ou inconsciente, a realidade é que todos educamos os nossos filhos com um resultado em mente.

A experiência de nascer e renascer: estou grávida!

por Márcia Carneiro
Não me lembro de um único dia em que tivesse sentido verdadeiro prazer na gravidez. Quando não parecia um pesadelo ou uma vergonha (sim, para mim estar grávida fazia-me sentir envergonhada, embora sem saber porquê) afigurava-se simplesmente como surreal. Não, esta não era a minha vida, não era possível que estivesse a experienciar tal existência, será que já era hora de acordar?

O Poder da Prolactina: porque nunca me apeteceu atirar a minha filha pela janela?

por Márcia Carneiro
A razão pela qual eu nunca quis atirar a minha filha pela janela fora poderá ter sido bem simples. Poderá ter sido uma questão hormonal: o efeito da Prolactina, a hormona responsável pela produção de leite. Enquanto a mulher amamenta a Prolactina mantém-se alta, por isso, é também conhecida como a hormona da maternidade carinhosa, sendo responsável pelos instintos protetores maternais.

Pela minha filha cresci o que sempre tive medo de crescer

Hoje eu gosto de mim assim, com virtudes e defeitos, fraquezas e fortalezas. Hoje eu não tenho mais medo de sorrir, de chorar, de amar, de não gostar. Mas não foi fácil o caminho e escrevo-o porque quero um dia recordar onde estive, quem fui e que defesas me salvaram e posteriormente condenaram. O que mudou? Fui mãe.

Gostava que alguém me tivesse visto

por Márcia Carneiro
Não sei muito bem como começar este texto. Não tem início nem tem fim o que quero partilhar. É pessoal e ao mesmo tempo profissional. É uma dança, uma verdadeira dança, pelo que simplesmente me vou permitir bailar. Gostava que alguém me tivesse visto quando estava grávida. Verdadeiramente visto, perscrutado para além da armadura que usava como defesa e que recentemente aprendi a amar.