logo-mundo-de-parentalidade

Louca, esquizofrénica, psicótica? Ou sou simplesmente adolescente?

Sinto que vivo num paradoxo, entre querer ser vista e desejar arduamente não o ser, entre sentir-me abandonada pelo mundo, esquecida por Deus e a vida, e ansiar desesperadamente que nenhum deles se aperceba de mim.

 

É difícil não saber quem sou. É angustiante não saber para onde vou nem o que vai ser de mim. Por vezes penso que sou a única, a perdida, a ovelha negra do rebanho que é a raça humana.

Por vezes penso que vivia na doce ilusão que era alguém, alguém capaz. E, agora, finalmente acordei para a realidade que sou defeituosa, incompetente, inapta, incapaz.

Sinto-me inacabada. Como se uma parte de mim nunca tivesse nascido ou então se tivesse perdido pelo caminho que é a vida. Procuro-a desesperadamente, faço tudo para a encontrar e temo que tudo o que vou conhecer é o fracasso, para sempre, para todo o eternamente.

Quero fugir, quero fugir de mim mesma, da voz na minha cabeça que me diz como devia ser, o que devia fazer e como falho a cada dia, a cada hora.

Sonho. E reprimo-me por sonhar. Não devia já saber que nada que imagino hoje se realiza amanhã?

Quero correr, correr para bem longe de mim, desta pessoa perdida que agora sou, sem rumo nem foco, cansada e angustiada a cada dia, a cada hora.

 

Sinto-me só, como nunca antes me senti, e a tristeza parece ser a minha mais fiel companheira de viagem.

Sinto-me única, como nunca antes me senti, e perco as ilusões de que alguém me compreenda, que alguém pertença à mesma margem.

Sinto que vivo num paradoxo, entre querer ser vista e desejar arduamente não o ser, entre sentir-me abandonada pelo mundo, esquecida por Deus e a vida, e ansiar desesperadamente que nenhum deles se aperceba de mim.

Estou louca? Esquizofrénica? Psicótica?

Ou será que sou simplesmente adolescente?

Leia também os posts relacionados:

Desabafos de uma adolescente de segundas núpcias

Compreenda o importante papel da solidão na adolescência

Descubra qual a importância de Compreender a Adolescência

 

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *