logo-mundo-de-parentalidade

Remendos e Resiliência

 

Por vezes penso que vou passar uma vida inteira a pregar remendos, de forma a tapar e embelezar os buracos que constantemente crio. Hoje remendo os erros de ontem e amanhã remendarei os de hoje. E assim será até ao fim dos meus dias.

Não me parece justo. Não devia ser assim.

E o que mais me custa é que agora eu estou consciente dos erros quando os cometo. Eu consigo perceber que não é assim que devia agir. Não é desta forma que eu quero ser. Mas ter perceção é tudo o que eu consigo fazer. Não consigo operar de outra forma, mesmo quando algo grita no meu interior “não, não vás por aí, sê diferente”.

É excruciante. Saber quem quero ser, o que quero fazer e simplesmente continuar como antes. Faz-me desejar ter permanecido na inconsciência, nunca ter avançado, nunca ter acordado.

E depois recordo-me que já estive aqui, conheço este lugar, já passei por ele antes. E consegui ultrapassar.

E com o tempo começo a perceber que é assim que deve ser, que nada está fora do lugar, que finalmente sei dançar.

E enfim compreendo de que realmente é feita a resiliência.

Escolho continuar a caminhar. Escolho para sempre remendar.

Não é fácil, não é linear, não é nada confortável.

Pico os dedos, corto a pele e esfolo os joelhos enquanto coso e caminho. E muitas vezes perco a visão e caio redonda no chão.

E grito sem parar “não é justo, não é assim que devia ser”.

 

Mas agora sei que o único pedaço fora do lugar é o tempo da minha aprendizagem, da minha integração, do crescimento da minha resiliência.

Mas como nunca é tarde para viver, escolho continuar a dançar.

Sei que um dia vou remendar por prazer e não por necessidade, vou remendar porque é moda e não porque há algo estragado.

Nesse dia serei gentil, meiga com quem sou e desejo não ser. Nesse dia continuarei a falhar e a dar pontos fora do lugar. Nesse dia serei igual ao que hoje sou. E serei completamente diferente, pois oferecer-me-ei amor incondicional.

E então pergunto: Porquê esperar?

Porque tudo tem o seu tempo, o seu lugar. Toda a criança quer ser adulta, quer crescer, quer ser dona do seu viver.

Mal seria se assim não fosse, se o infante não ansiasse por maturar.

Então que está errado com o agora? Nada, absolutamente nada.

Por vezes penso que vou passar uma vida inteira a pregar remendos, de forma a tapar e embelezar os buracos que constantemente crio. Hoje remendo os erros de ontem e amanhã remendarei os de hoje. E assim será até ao fim dos meus dias.

E está tudo bem porque é este hoje o meu lugar!

 

Share this article

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *