logo-mundo-de-parentalidade

Psicologia / 25 POSTS ENCONTRADOS

Morreu o escritor chileno Luis Sepúlveda: Crónica de uma Despedida

Conheci Luis Sepúlveda numa manhã de primavera, curiosamente em terras espanholas, onde ele acabou por sucumbir. Conheci Luis Sepúlveda na segunda vez que vi aquele que é agora o meu companheiro e pai da minha filha. E foi assim que eu cresci como pessoa e ser humano. Com Sepúlveda conheci a história do Chile. Com Sepúlveda chorei de raiva, de amor e aprendi o valor dos pequenos momentos.

Que Medo! de Barbara Frandino: Um livro incómodo e apaixonante

por Márcia Carneiro
Não é com facilidade que escolho um livro infantil para comprar. Compreendendo a importância de ler histórias para crianças, gosto de analisar os contos infantis que estão a ser vendidos antes de os levar para casa. “Que Medo!” constituiu, no entanto, uma exceção. Assinado por Barbara Frandino este livro superou todas as minhas expetativas.

A Viagem de Arlo: A essência do Desenvolvimento Humano em imagens

por Márcia Carneiro
“A Viagem de Arlo” foi um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Uma verdadeira lição sobre o que é o alarme, a coragem, o vínculo e a alta sensibilidade, entre outros conceitos. É uma obra que retrata muito do que a Psicologia do Desenvolvimento Humano tem ensinado ao longo de mais de um século e confirmado agora pelas mais recentes descobertas da Neurociência.

Alta Sensibilidade: um traço de personalidade desconhecido

por Márcia Carneiro
Não é fácil ser altamente sensível no mundo atual, não é fácil ser mãe de uma criança altamente sensível e mais difícil ainda é quando ambos possuem este traço de personalidade. Se a isto adicionarmos o desconhecimento da alta sensibilidade, podemos perceber o pesadelo que tantos pais e mães vivem diariamente em silêncio.

Como proteger as crianças das consequências emocionais do COVID-19?

por Márcia Carneiro
Numa altura em que todo o mundo procura perceber como proteger os seres humanos da propagação da infeção pelo novo coronavírus é imperativo realizar uma outra avaliação: Como proteger as crianças dos efeitos emocionais do COVID-19?

A Parentalidade Consciente é a última moda de como educar um filho?

por Márcia Carneiro
A Parentalidade Consciente é apresentada e/ou interpretada como um conjunto de técnicas que ajudarão os pais a criarem seres humanos felizes, emocionalmente inteligentes e saudáveis, bem integrados e sucedidos na sociedade moderna, íntegros, originais, resilientes e muito mais. Ou seja, a Parentalidade Consciente é apresentada como a fórmula para criar os filhos com sucesso.

Como acontece o desenvolvimento humano? É instintivo ou ensinado?

por Márcia Carneiro
Os seres humanos são seres naturais, com uma origem que não foi obra sua e um desenvolvimento humano que não obedece à sua vontade. Neste contexto parece-me bastante pretensioso acreditar que se queremos que os nossos filhos sejam felizes, capazes de funcionar na cultura e sociedade contemporânea, resilientes, independentes, bem-sucedidos em termos pessoais e profissionais, tenhamos que o ensinar, que o originar, que o implementar nas suas mentes.

Uma das maiores pedras no caminho da parentalidade: o instinto da contra vontade

por Márcia Carneiro
Criar um filho é um caminho repleto de pedras que fazem os pais tropeçar e lutar por se manterem em bom curso. Ninguém quer falhar nesta jornada. Desistir está fora de questão. O objetivo é perseverar e chegar a bom porto. Neste texto pretendo apresentar uma rocha em que os pais tropeçam vezes sem conta, sem sequer se aperceberem da sua existência: o instinto da contra vontade.

Entenda porque os sentimentos são a expressão consciente das emoções

por Márcia Carneiro
Os sentimentos amadurecem-nos. Sentir faz-nos crescer, psíquica e emocionalmente. Sentir é parte imprescindível de desenvolvermos todo o nosso potencial humano e vivermos uma vida feliz, plena de sentido e realização. Os sentimentos são a expressão consciente das emoções, as pontas visíveis dos icebergues que representam todo o nosso mundo emocional.

Venha descobrir porque somos prisioneiros das Redes Sociais

por Márcia Carneiro
Se há algo que as redes sociais me mostram é o quanto vivemos sozinhos. E o quanto perseguimos o sentimento de pertença sem nunca o verdadeiramente alcançar. Somos seres que precisam de outros seres para se sentirem vivos. Somos seres sociais, seres que precisam de calor humano como de ar para viver. Mas quantos o encontramos verdadeiramente?