logo-mundo-de-parentalidade

Parentalidade / 23 POSTS ENCONTRADOS

O que é Psicologia Cognitiva e para que serve? Entenda neste post!

por Márcia Carneiro
Durante a primeira metade do século XX foram duas as correntes psicológicas que dominaram o pensamento dos cientistas da área: o behaviorismo e a psicanálise. Em meados do século assistiu-se a um regresso ao estudo desses mesmos processos. Era o início da Psicologia Cognitiva, corrente influenciada pelo enfoque holístico dos psicólogos da Gestalt, que se debruçavam sob o tema da perceção.

5 Filmes Recomendados para enfrentar os Desafios da Maternidade

por Márcia Carneiro
Este post foi criado para ajudar todas as mães e pais que se debatem com as dificuldades de educar um filho no contexto social, económico e cultural atual. O objetivo é informar, esclarecer e, se possível, através da indicação de filmes despertar o interesse por uma nova forma de criar os futuros adultos de amanhã.

O lado negro do Amor: entenda o desvinculo defensivo

Hoje quero falar da defesa instintiva que mais destrói lares e famílias. Do instinto de defesa que nos leva a deserdar filhos, a abandonar pais e até a assassinar cônjugues. Hoje quero abordar o lado negro do Amor. Hoje quero falar-vos do desvinculo defensivo, a defesa do desespero, a defesa que surge quando todas as outras falharam, a defesa que antecede a catástrofe quando não é compreendida e bem abordada.

O que é Psicoterapia e para que serve? Descubra agora!

Este artigo integra-se numa série de posts sobre Psicologia e as suas principais correntes. Recordo que a Psicologia só se estabeleceu como disciplina científica por direito próprio nos finais do século XIX. Hoje foco-me na Psicoterapia, explicando neste texto o que é este movimento, como surgiu e quais os seus principais fundamentos.

Descubra qual a importância de Compreender a Adolescência

Compreender a adolescência ajudou-me a perceber melhor os adolescentes da minha vida. E transformou o nosso relacionamento em algo muito mais descontraído, fluido, fácil e produtivo. Por isso mesmo quero partilhar esta dádiva com todos vós, para que também vocês possam usufruir do melhor que ela tem para dar em vez de tropeçar nas suas armadilhas.

Compreenda o importante papel da solidão na adolescência

A solidão na adolescência é uma experiência natural e essencial no caminho para a idade adulta. Mas numa cultura que promove o positivismo e a felicidade acima de tudo há muito que perdemos essa intuição. É premente compreender o papel da solidão nesta fase da vida dos nossos filhos se os queremos realmente ajudar a serem adultos felizes e bem resolvidos.

Não amo mais o meu filho adotivo. E agora? O que fazer? Como agir?

por Márcia Carneiro
Costuma pensar-se que uma criança que cresce numa família disfuncional, ou até sem ela, prospera quando finalmente recebe o amor de pais atentos e dedicados. Não é necessariamente o caso. Por vezes o ódio domina, como se os pais adotivos fossem os responsáveis pelos seus anos de maus tratos. Se quer perceber mais sobre o amor ou desamor por um filho adotivo continue a ler.

Parentalidade: do Paradigma Dominante até ao Paradigma Consciente

Um pouco por todo o mundo, estamos a assistir a uma mudança de paradigma na forma como criamos os nossos filhos: estamos, finalmente, a libertarmo-nos do Paradigma Dominante e a embarcar no Paradigma da Parentalidade Consciente ou Pacífica. Mas o que implica esta mudança na Parentalidade? Descubra neste post.

A minha missão como coach parental: Preparados para serem pais?

Quando nos tornamos pais não fazemos a mínima ideia do caminho que temos que percorrer. Ser pai ou ser mãe é a actividade mais importante que alguma vez realizaremos, mas é igualmente a que iniciamos pior preparados.  A verdade é que praticamente nada nos pode preparar para sermos pais. A não ser a forma como fomos criados. E aqui é para o bem e para o mal.

Parentalidade consciente, disparos inconscientes e um momento de clarividência

por Márcia Carneiro
Um dia dei por mim a gritar com a minha princesa e a descarregar nela toda a minha fúria. Já nem me lembro qual o gatilho, que comportamento dela me havia irritado tanto. Só sei que tive consciência que precisava de parar. Dei um passo atrás, ainda a gritar, e sentei-me no meu Colo Seguro.