logo-mundo-de-parentalidade

Maternidade / 49 POSTS ENCONTRADOS

Para ti, Ana Sofia, que escolheste nascer

por Márcia Carneiro
Obrigada Ana Sofia por teres ficado, obrigada por teres lutado, obrigada por não me teres abandonado. Esta é uma história de respeito, admiração e dor pelos desafios, pelas batalhas, pela guerra que um ser tão pequenino, ainda nem sequer nascido, travou ferozmente pelo direito de viver.

O que se passa com os nossos filhos?

Na atualidade muitos pais intuem que perderam o seu lugar, parece-lhes que não são capazes de educar os filhos, sentem-se impotentes e perdidos, sem qualquer influência, alojando indivíduos que já não conhecem e que nada têm a ver consigo ou com os descendentes que um dia sonharam ter. Mas qual é a solução?

Amo-te Ana Margarida, que escolheste não nascer

Amo-te Ana Margarida, minha filha linda que escolheste não nascer. Vou-te amar continuamente, sem medos nem porquês. Amo-te, Ana Margarida, para sempre e mais além. E vou amar-te eternamente.

Desafios da Maternidade, Tempos de Dificuldade: Então e eu?

A parentalidade é um processo de transformação, tanto mais profundo e radical quanto mais intensa é a nossa imaturidade e mais reprimidas estão as nossas sombras. Felizmente, mais por sorte do destino do que propriamente por escolha própria, eu decidi quebrar a continuidade da herança e enfrentar os demónios, viver a transformação. Saiba como neste post.

Educação dos filhos: Uma Reflexão sobre a Sabedoria Roubada

por Márcia Carneiro
Quanto mais aprendo sobre parentalidade, quanto mais pesquiso o que a ciência tem hoje para nos oferecer e quanto mais me perco e encontro no vasto mundo da espiritualidade, mais certezas eu tenho de que nascemos sábios. E neste artigo explico porquê.

Para ti, Ana Margarida, que escolheste não nascer

por Márcia Carneiro
Para ti, Ana Margarida, que escolheste não nascer. Obrigada por preencheres o meu ventre, por me escolheres como mãe, por me ensinares uma nova forma de amar. Esta é a história de como sofri a tua perda, aceitei a tua decisão, abri o meu coração e compreendi que era seguro para sempre amar-te.

Alguma vez pensaste como queres nascer como Mãe?

por Márcia Carneiro
O meu bebé nasceu numa cesariana marcada com antecedência e com direito a anestesia geral. Não por minha escolha, mas por impossibilidades reais de ter um parto normal. Mas a verdade é que quando me começaram a falar da probabilidade de ter de ser uma cesariana eu senti algum alívio e desejei que o cenário não mudasse. O que eu não sabia, pelo menos ainda, é que não há como fugir da nossa verdadeira natureza.

Se este fosse o teu último dia na terra quais os valores pessoais que gostarias de deixar aos teus filhos?

Um dia colocaram-me a questão que escolhi como título deste artigo. E esta foi a minha resposta: Se este fosse o meu último dia na terra, os 3 principais valores pessoais que gostaria de deixar à minha filha seriam paz interior, felicidade e fé. Descobre porquê neste post.

O desafio da Maternidade: esta é a minha história

Quando a minha filha nasceu o meu mundo mudou. Mas não como tinha sido anunciado. Quando a minha filha nasceu eu percebi que nunca na minha vida me tinha sentido tão incompetente, tão desadequada, tão fora do meu elemento. Nunca na minha existência tinha tido tanta vontade de fugir. Nunca na minha presença na terra tinha sentido tanto medo.