logo-mundo-de-parentalidade

Maternidade / 52 POSTS ENCONTRADOS

O que esperar quando está à espera de bebé? Descubra agora!

por Márcia Carneiro
Procurar viver a gravidez de forma consciente pode rapidamente transformar-se num sentimento de prisão e sufocamento. O que esperar quando está à espera de bebé da autoria de Heidi Murkoff é, na minha opinião, o melhor guia que pode ter na sua mesinha de cabeceira durante esta fase tão especial da sua vida.

Um livro precioso: Corpo, Mente e Espírito na Gravidez e no Parto

por Márcia Carneiro
Sabe aquele livro precioso que vai connosco para toda a parte numa dada altura da nossa vida? Corpo, Mente e Espírito na Gravidez e no Parto é o meu escolhido para os 9 meses de gestação. Infelizmente não me cruzei com ele na minha primeira gravidez. Mas isso não tem que acontecer com você. Faço mesmo questão que não aconteça.

O que é o Amor para um bebé?

por Márcia Carneiro
Quem conhece o poder de ser incondicionalmente amado na sua infância e adolescência será um adulto feliz, resiliente, facilmente adaptável e capaz de atingir os seus sonhos ou deixá-los ir na mais pura paz, vivendo o instante presente com alegria e entusiasmo independentemente do que esteja a acontecer nesse mesmo momento.

Venha conhecer a verdadeira Parentalidade Consciente

por Márcia Carneiro
É fácil perceber o conceito da Parentalidade Consciente. E é fácil enganarmo-nos em pensar que a estamos a seguir. Quando realmente mergulhamos no desconforto do trabalho e aceitamos questionar tudo o que antes aceitávamos como verdades absolutas, então percebemos que a verdadeira Parentalidade Consciente significa entranhar fundo em nós próprios e criarmos uma relação consciente com a nossa imaturidade.

A importância de pedir ajuda e apoio: Lean On Me

Estávamos nos primeiros dias de 2013. No rádio escutava-se uma versão atualizada de “Lean On Me”. A minha prima debatia-se com a vida… e com a sua capacidade de pedir ajuda. Enviei-lhe um link desta música. Enquanto tivermos pessoas em quem nos apoiar nada é verdadeiramente invencível.

Quem sou eu para o meu filho?

por Márcia Carneiro
Muito se fala e escreve sobre como ser pai. Mas o que raramente se diz é que o verdadeiro segredo está no contexto. E o contexto é a relação que estabelecemos com os nossos filhos. “Quem sou eu para o meu filho?” Esta é a pergunta que devemos colocar a nós próprios. “Eu sou a resposta, mesmo quando não tenho respostas.” Esta é a solução.

O meu filho não come

por Márcia Carneiro
O meu filho não come. O meu filho come tão pouco que é impossível que seja o suficiente. Conhecem a preocupação? Sim? Então também lhe deve ser familiar a vontade de fugir na hora da refeição, a angústia da sua antecipação, o desespero de não saber o que mais fazer e o sentimento de estar a falhar como mãe. Eu conheci bem estes caminhos tortuosos no primeiro ano de vida da minha princesa.

O nascimento determina a vida

por Márcia Carneiro
Os seres humanos lembram-se do seu nascimento, todos, sem exceção. Não a um nível consciente, mas também não unicamente como uma memória intrínseca. Quando nas condições certas, os seres humanos são capazes de recordar como nasceram. E enquanto não o recordam estão muitas vezes presos aos medos que sentiram quando nasceram, aos traumas, às aprendizagens muitas vezes erradas mas não menos condicionantes.

Nascida por manobra de Kristeller: Vantagens

por Márcia Carneiro
Há pouco tempo escrevi um texto sobre nascer por manobra de Kristeller. Foram muitos os comentários que me fizeram sobre essa partilha. Maioritariamente mães, a desabafarem o peso de uma culpa “o meu filho/filha também nasceu assim!” Por isso, hoje escrevo para elas uma continuação. Tudo na vida tem vantagens e desvantagens. Tudo, sem exceção!

Gostava que alguém me tivesse visto

por Márcia Carneiro
Não sei muito bem como começar este texto. Não tem início nem tem fim o que quero partilhar. É pessoal e ao mesmo tempo profissional. É uma dança, uma verdadeira dança, pelo que simplesmente me vou permitir bailar. Gostava que alguém me tivesse visto quando estava grávida. Verdadeiramente visto, perscrutado para além da armadura que usava como defesa e que recentemente aprendi a amar.