logo-mundo-de-parentalidade

Márcia Carneiro / 167 posts encontrados

Desabafo e crescimento em tempo da pandemia COVID-19

por Márcia Carneiro
Hoje, pela primeira vez na vida, desejei nunca ter nascido. Pela primeira vez na vida, desejei não ser mãe, não ser esposa, simplesmente nunca ter existido. E celebrei. Celebrei sentir tanta vida. No meio do meu choro compulsivo, agachada (escondida) aos pés do banco do passageiro num carro estacionado na garagem de casa (único sítio para onde fugir em tempo de COVID-19) celebrei o que antes nunca fora capaz de sentir.

Desejo de validação: crónica de uma morte anunciada

Há já algum tempo que sinto que um novo portal se abre debaixo dos meus pés. Um novo crescimento emocional requer que abandone mais uma pele. Desta vez o crescimento tem a ver com ser fiel a mim mesma e aos meus princípios, mesmo quando essa fidelidade não vai ser entendida ou até aceite pelos outros. E a pele que tenho que largar é o desejo de validação.

Maternidade: Tempo de avançar ou recuar?

por Márcia Carneiro
Quando somos pais descobrimos que é tempo de avançar. Avançar para uma melhor versão de nós, avançar para novas responsabilidades, avançar para uma nova forma de amar. Quando somos pais deparamo-nos com uma nova adolescência, um novo impulso para crescer, amadurecer, descobrir quem somos. Sem dúvida um novo tempo de avançar.

Direitos em Estado de Emergência: onde termina a minha liberdade?

por Márcia Carneiro
O estado de emergência é um atentado aos nossos direitos? O que realmente significa dizer “a minha liberdade termina onde começa a liberdade dos outros”? Sim, muitas pessoas deparam-se agora com uma perda de direitos. Essa perda de direito é legal? Mas ser ou não legal é o valor máximo?

Morreu o escritor chileno Luis Sepúlveda: Crónica de uma Despedida

Conheci Luis Sepúlveda numa manhã de primavera, curiosamente em terras espanholas, onde ele acabou por sucumbir. Conheci Luis Sepúlveda na segunda vez que vi aquele que é agora o meu companheiro e pai da minha filha. E foi assim que eu cresci como pessoa e ser humano. Com Sepúlveda conheci a história do Chile. Com Sepúlveda chorei de raiva, de amor e aprendi o valor dos pequenos momentos.

Que Medo! de Barbara Frandino: Um livro incómodo e apaixonante

por Márcia Carneiro
Não é com facilidade que escolho um livro infantil para comprar. Compreendendo a importância de ler histórias para crianças, gosto de analisar os contos infantis que estão a ser vendidos antes de os levar para casa. “Que Medo!” constituiu, no entanto, uma exceção. Assinado por Barbara Frandino este livro superou todas as minhas expetativas.

Como posso ajudar o meu filho com trauma?

por Márcia Carneiro
A maioria das crianças, para não dizer mesmo todas, experimentam situações traumáticas na sua existência, por muito amorosos, atenciosos e cuidadores que sejam os pais. E embora existam inúmeros profissionais capazes de ajudar os nossos filhos a lidar com o trauma, ninguém substitui os pais ou principais cuidadores como terapeutas principais.

A Viagem de Arlo: A essência do Desenvolvimento Humano em imagens

por Márcia Carneiro
“A Viagem de Arlo” foi um dos melhores filmes que vi nos últimos tempos. Uma verdadeira lição sobre o que é o alarme, a coragem, o vínculo e a alta sensibilidade, entre outros conceitos. É uma obra que retrata muito do que a Psicologia do Desenvolvimento Humano tem ensinado ao longo de mais de um século e confirmado agora pelas mais recentes descobertas da Neurociência.

Alta Sensibilidade: um traço de personalidade desconhecido

por Márcia Carneiro
Não é fácil ser altamente sensível no mundo atual, não é fácil ser mãe de uma criança altamente sensível e mais difícil ainda é quando ambos possuem este traço de personalidade. Se a isto adicionarmos o desconhecimento da alta sensibilidade, podemos perceber o pesadelo que tantos pais e mães vivem diariamente em silêncio.

Conheça aqui o que ninguém lhe diz sobre a autossuperação

por Márcia Carneiro
Quase todas as pessoas que enveredam por um caminho de autossuperação, seja ele espiritual, terapêutico ou tendo por base uma parentalidade consciente, possuem um ideal a alcançar, uma meta final que acreditam que fará toda a diferença na vida, sua e daqueles a quem mais amam. O derradeiro poder da autossuperação não está no resultado final, mas na escolha que fazemos quando encontramos a encruzilhada.